sábado, 14 de novembro de 2015

A Saga dos Waimiri Atroari

Por João Américo Peret

Em 1967, o Cel. Mauro Carijó, Diretor do Der-Am,veio ao Rio de Janeiro “pedir” governo militar ao Dr. Gama Malcher, diretor do SPI/FUNAI que retirasse 11 aldeias de índios selvagens que flecharam seu avião. O caso aconteceu quando fazia voos de reconhecimento para a construção da BR-174 Manaus-Roraima. Alegou que era questão de “segurança nacional” e que os índios não podiam atravancar o progresso e interesses do Brasil.

 A conversa se tornou calorosa, porque Dr. Malcher, profissional de carreira em via de aposentadoria, era um ferrenho defensor dos direitos indígenas. E não tinha “medo de caretas”.

 Nas fotografias aéreas apresentadas pelo Cel. Carijó, as choças “cogumelos gigantescos”,com mais de 80m de diâmetro, abrigava a população inteira.

As roças eram abundantes, a região era de natureza bruta intocada com rios de águas negras, corredeiras e cachoeiras,como veias da floresta bem copada. Calculamos no total uns 6.500 índios povoando a região. Pela localização seriam os antigos Jauapery (Waimiri-Atroari).

 Eram tempos de mudanças e transformações, o SPI virava FUNAI. Sem verba e com poucos sertanistas: irmãos Villas Bôas, Francisco Meireles, Cícero Cavalcante, Peret (autor) e João de Carvalho. Ocupados em trabalho de campo. Sugeri o colega Gilberto Pinto (ajudante de sertanista) para ser promovido e tratar do caso. E sugeri ao Cel. Carijó que fizesse o apoio logístico com helicóptero para acelerar os primeiros contatos, depois o Gilberto prosseguiria no sistema tradicional, mais lento e eficaz.

 Em julho de 1968, o sertanista Gilberto conseguiu o primeiro contato amistoso com os ditos “selvagens”. O sr. José Queiroz Campos, jornalista assumiu a presidência da FUNAI (não entendia lhufas de índios).
Mas fazia parte das “forças ocultas: políticos, latifundiários, empresários, missões religiosas”. Retiraram o sertanista Gilberto Pinto (FUNAI), e colocaram no seu lugar,o padre Giovanne Calleri, italiano, sem nenhuma experiência com índios (Missões Consolata(RR).

 No final de 1968, a expedição Calleri desapareceu na floresta... O PARA-SAR (Grupamento de Busca e Salvamento –FAB) ficou 20 dias procurando e dizendo coisas... O sertanista Gilberto Pinto (retirado do serviço), recusava-se a ajudá-los nas buscas (e com muita razão). O Ministério do Interior e de Relações Exteriores, pressionaram a FUNAI para ajudar nas buscas. O Dr. Malcher, consultado sugeriu meu nome. Fui. Por razões óbvias o Cap. Lessa, comandante do grupamento não ficou feliz com minha presença. Provei minha experiência e desinteresse na mídia e assim fui incorporado.

 Resolvemos o caso: os índios cortaram uns cipós; segui este sinal, sozinho, sob protesto do Major Lessa. Encontrei os restos mortais de uma mulher. Gritei chamando o PARA-SAR. Enquanto examinavam o achado, segui outra pista e encontrei os restos do Padre Calleri atrelado ao de outro homem. O PARA-SAR completou as buscas e o translado para Manaus.

 Meses depois o sertanista Gilberto Pinto reassumiu a pacificação dos Waimiri-Atroari.

Em 1972 consolidou os contatos e instalou Postos de Assistência. Levou os caciques e familiares para conhecerem Manaus. Era amado pelos índios que o chamavam de “Pai Gilberto”. Mas o sertanista da velha guarda,incorruptível, era contrário que a BR-174, passasse dentro das aldeias. Estranhamente Gilberto Pinto foi morto no Natal de 1974. Consta que “forças ocultas” (seriam compostas por políticos, latifundiários, empresários,missões religiosas). O sertanista Porfírio de Carvalho denunciou pessoas envolvidas no crime. Consta até que nos ferimentos à bala, colocaram flechas dos índios para incriminá-los. O certo é que a família do Gilberto não pode ver o corpo.

O sertanista Porfírio de Carvalho substituiu o Gilberto e novamente pacificou os Waimiri-Atroari. Mas ferrenho defensor dos índios, protestava contra a BR-174 e as “forças ocultas”. Por isso foi enxotado da FUNAI... Desgostoso, foi morar em Brasília, fez faculdade e ficou por lá.

A BR-174 atropelou as Aldeias dos Waimiri-Atroari. E os índios que em 1967 seriam mais de 6.000 (seis mil), nos últimos anos estavam reduzidos a uns 380 (trezentos e oitenta). Suas terras passaram às mãos das ditas “forças ocultas”. Construíram a cidade de Presidente Figueiredo, a maravilhosa Cachoeira Maruaga (do cacique Atroari) virou atração turística.

Na década de 1970 o Projeto Radam constatou a existência de cassiterita na área indígena. No início da década de 1980 a empresa Paranapanema demonstrou interesse em explorar esse minério. Com o auxílio da Funai e do Ministério das Minas e Energia, através do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), conseguiram articular um processo que veio a culminar na extinção da Reserva Indígena Waimiri Atroari (criada em 13/07/71), transformando-a em Área Interditada Temporariamente para Fins de Atração e Pacificação dos Índios Waimiri Atroari (23/11/81) e excluindo, no novo decreto presidencial, a região da terra indígena onde se encontravam as jazidas. Ainda na década de 80, outro grande projeto atingiu as terras Waimiri Atroari. Tratava-se da construção da usina hidrelétrica de Balbina, pela Eletronorte, cujo lago atingiu 30 mil ha. na área indígena. Construída a Hidrelétrica de Balbina que afogou o meio ambiente, e transformou a região num pântano fétido; a Eletronorte explora energia elétrica e minério; o governo distribuiu as terras dos índios como devolutas. As índias foram prostituídas e a miséria se abateu sobre esse povo ao longo da BR-174.

Os índios ficaram numa Reserva Indígena diminuta. Mas são bravos! Não desistem nunca! E recuperaram a dignidade com a força interior!

Um jovem Waimiri foi enviado a procurar o “Pai Carvalho”, pegou carona num caminhão, em Manaus virou “menino de rua” perambulou indagando pelo “Papai Carvalho”. Alguém o achou parecido com índio e o levou para FUNAI. Na FUNAI ninguém sabia do paradeiro do “Pai Carvalho”.Colocaram-no num avião para Brasília. Lá virou “menino de rua”, até que identificado como índio foi levado para FUNAI. Com dificuldade foi descobrir o ex-sertanista Porfírio de Carvalho na Secretaria do deputado Mario Juruna. Abraçaram-se e choraram de emoção.

O menino explicou no idioma:

 - Papai Porfírio, você tem que voltar comigo para a Aldeia.Nosso povo ta acabando!

O ex-sertanista abandonou o emprego e voltou a Reserva Indígena que havia criado para os Waimiri-Atroari. A Aldeia só tinha jovens, os mais velhos haviam sido dizimados por doenças, promiscuidade, e a ferro e fogo, bala.

Porfírio reorganizou os índios dentro da tradição cultural indígena. Entrou na justiça e foi conseguindo indenizações pelos prejuízos que o governo e as “forças ocultas” deram a esses índios.

Contratou professores e técnicos de várias áreas para ensiná-los a ler e escrever em português, tecnologia para desenvolver projetos ecológicos e a região foi transformada em berçário da fauna, recuperação da flora, piscicultura,tartarugas etc.A região é Reserva Biológica. Por fim começou a comprar as terras indígenas que lhes foram tomadas. Amparados legalmente conseguiram autorização para construir guaritas e cobrar pedágio,nas suas terras invadidas pela BR-174. A noite eles barram a passagem de veículos e pessoas estranhas para não perturbarem a vida na Reserva Biológica e a eles, filhos da natureza.

Em 2006 os Waimiri-Atroari me convidaram para festejar o nascimento da milésima criança Waimiri-Atroari.

Mas as “forças ocultas” não lhes dão guarida. Na Reserva Indígena só entram pessoas de reconhecida idoneidade moral e de real comprometimento com a causa indígena. 

São fantásticos esses índios Waimiri-Atroari. Em poucos anos tornaram-se competentes para gerir os próprios destinos. E o amigo mais amado – PAPAI CARVALHO.


*Peret, foi um dos maiores sertanistas do Brasil, do SPI/FUNAI, 58 anos ao lado dos índios. Faleceu em 17 de março de 2011. Esse artigo foi escrito e publicado neste blog em 14 de julho de 2010, dentre outros: http://cidadaniaejustica.blogspot.com.br/2010/07/saga-dos-waimiri-atroari.html




Os índios Waimiri Atroari, habitantes da Terra Indígena homônima, situada ao norte do Amazonas e sul de Roraima atingiram a população de mil pessoas com o nascimento de um menino, filho do casal Anapidene e de Ketamy, no dia 26 de setembro de 2009, na aldeia Yawara. A chegada do milésimo kinja, auto-denominação dos Waimiri Atroari, representou a recuperação desse povo, que esteve próximo à extinção na década de 70, com o avanço da construção da estrada que liga Manaus (AM) à Boa Vista (RR) e da atividade mineradora na região. A recuperação dos Waimiri Atroari foi possível, graças ao Programa Waimiri Atroari.

O indigenista Porfírio Carvalho, servidor aposentado da Funai, é o coordenador do Programa Waimiri Atroari, criado em 1987 para recuperar o processo de repopulação e provável extinção desse povo. Segundo Porfírio, o Programa foi elaborado em conjunto com os indígenas, com a participação de profissionais e técnicos especializados em diversas áreas. O objetivo inicial foi recuperar as terras e proporcionar sustentabilidade, com qualidade de vida para esses indígenas, ameaçados com o avanço desenvolvimentista da década de 60/70. Hoje, o programa emprega mais de 80 técnicos, cuida da saúde, educação, cultura e sustentabilidade econômica desse povo e tem o site http://www.waimiriatroari.org.br/.

Em 1969, quando Carvalho conheceu os Waimiri Atroari, eles eram altivos e guerreiros. Ao reencontrá-los em 1986, "estavam doentes, tristes, perambulando pela BR 174 (Manaus-AM a Boa Vista-RR), esmolando carona e comida dos caminhoneiros. Morriam, em média, 20% ao ano e caminhavam para a extinção", relata o indigenista, que sempre se dedicou à questão indígena, e hoje trabalha especialmente, junto aos Waimiri Atroari e aos Parakanã, no Pará, e ainda colabora com os Guajajara, do Maranhão. Carvalho não esconde sua comoção, quase paterna: "Saí contando para todos: nasceu o milésimo Waimiri Atroari!... Parece que os vejo todos, todos os mil na minha frente... Eu estou feliz! E grato a todos que me ajudaram a realizar este sonho", concluiu o indigenista vitorioso.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Eles tiraram o vídeo dos artistas do Movimento Gota d'água, a gente post...





Alguns minutos de uma deliciosa trilha na Floresta Amazônica, especificamente na Floresta Jaúma, onde fomos acompanhar Tuvá Asurini e Muracaí Asurini que foram pegar barro para a confecção de cerâmicas, artesanato mais famoso dos Asurini. O vídeo ficou um pouco longo embora eu só tenha gravado uns 14 a 15 minutos de nossa descida. Quero mostrar a vocês como é maravilhoso andar com os índios no meio da mata. Onde qualquer um de nós nos perderíamos e também registrar a chegada no barco, no rio Xingu, onde registro o depoimento do nosso querido Manjuca que mostra como o rio está com seu nível baixo. Isso significa que a energia firme (média anual) a ser produzida pela hidrelétrica de Belo Monte promovida pelo governo jamais acontecerá porque na maior parte do ano o Xingu está com seus níveis de água baixo! Ou seja, é uma grande mentira as afirmações oficiais anunciadas! E isso é apenas um dos pontos absurdos de Belo Monte. Embora não tenha mais jeito porque Belo Monte nos foi enfiada "goela abaixo", tudo ficará registrado. Os nomes daqueles que tiveram a coragem de mexer no Xingu! Também é um vídeo gostoso porque traz "alguns sons da Amazônia" embora haja muita conversa nossa. E no meio do vídeo tenho a oportunidade de mostrar a vocês também o cipó do sangue, para os índios, IPAWÍ, que eles usam para machucados. Para os não índios, primeiro seria um mercúrio, depois um anti-inflamatório, daí mais e mais drogas... ELES "TIRARAM" O VÍDEO DOS ARTISTAS CONTRA BELO MONTE DO AR, E AINDA FALAM EM LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

Eles tiraram o vídeo dos artistas do Movimento Gota d'água, a gente posta outros!

Alguns minutos de uma deliciosa trilha na Floresta Amazônica, especificamente na Floresta Jaúma, onde fomos acompanhar Tuvá Asurini e Muracaí Asurini que foram pegar barro para a confecção de cerâmicas, artesanato mais famoso dos Asurini. O vídeo ficou um pouco longo embora eu só tenha gravado uns 14 a 15 minutos de nossa descida. Quero mostrar a vocês como é maravilhoso andar com os índios no meio da mata. Onde qualquer um de nós nos perderíamos e também registrar a chegada no barco, no rio Xingu, onde registro o depoimento do nosso querido Manjuca que mostra como o rio está com seu nível baixo. Isso significa que a energia firme (média anual) a ser produzida pela hidrelétrica de Belo Monte promovida pelo governo jamais acontecerá porque na maior parte do ano o Xingu está com seus níveis de água baixo! Ou seja, é uma grande mentira as afirmações oficiais anunciadas! E isso é apenas um dos pontos absurdos de Belo Monte. Embora não tenha mais jeito porque Belo Monte nos foi enfiada "goela abaixo", tudo ficará registrado. Os nomes daqueles que tiveram a coragem de mexer no Xingu! Também é um vídeo gostoso porque traz "alguns sons da Amazônia" embora haja muita conversa nossa. E no meio do vídeo tenho a oportunidade de mostrar a vocês também o cipó do sangue, para os índios, IPAWÍ, que eles usam para machucados. Para os não índios, primeiro seria um mercúrio, depois um anti-inflamatório, daí mais e mais drogas... ELES "TIRARAM" O VÍDEO DOS ARTISTAS CONTRA BELO MONTE DO AR, E AINDA FALAM EM LIBERDADE DE EXPRESSÃO!

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Maria Rachel Coelho no Vale do Javari

O Veyaá O Encontro dos Povos do Vale do Javari originou-se a partir do formato do evento tradicional chamado Veyaá que significa na língua Marubo " Encontro pelo qual se confraternizam, se saúdam,competem lutas corporais, promovem discursos cerimoniais e de outros rituais dentro das normas do Veyaá" Estou de passagem por aqui com um compromisso: orientar as pessoas que o desenvolvimento só pode vir de forma sustentável e ensinar o quanto é maravilhoso conviver com os índios. Faço de tudo para que as pessoas conheçam e respeitemos índios não somente como primeiros habitantes dessa terra mas também como o futuro, como a Amazônia! Nesta viagem desafiei a tudo e a todos. O medo de meus familiares e amigos. A má vontade da representante da FUNAI local, que embora, eu estivesse com autorização da FUNAI de Brasília para visitar as Aldeias, sumiu para inviabilizar minha ida, as chuvas e os rios,a malária, a hepatite dentre outros vírus e as distâncias. Ganhei amigos! Caminhei de mãos dadas com meu Povo Mayuruna. Conheci os Marubo,os Matis,os Kanamary, suas pinturas e vestimentas culturais, suas comidas. Fizemos reuniões e discutimos suas maiores necessidades e problemas e como melhorar esse panorama. Neste álbum,reuni fotos de nossa Festa do Dia do Índio 2014. Os festejos foram realizados em Atalaia do Norte no Ginásio Atila Lins. Participei do Ritual Mayuruna, dançamos juntos, competimos de arco e flecha, joguei bola com as crianças,enfim, passei o melhor Dia do Índio de minha vida! No dia seguinte subimos o Javari. É emocionante, lindo, cheio de afluentes e nesses afluentes existem Aldeias também,além da sensação de se estar dentro de um barco fazendo fronteira entre dois países: Brasil e Peru. Ainda não conclui os outros álbuns mas em breve vocês vão ver em fotos e em vídeos que a T.I. Vale do Javari é um lugar lindo,cheio de paisagens maravilhosas e pessoas humildes e felizes. Andei pelas fronteiras com mais tranquilidade do que ando no Rio de Janeiro ou São Paulo. E não vi sequer um militar nas ruas.O mais extraordinário disso tudo é que em todos os lugares só via índios. Dá para sentir a energia deles que com bastante dificuldade mantêm as tradições vivas e valorizadas. Sem sombra de dúvidas, foi a viagem da minha vida! Pelo menos até o momento!

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Boi Caprichoso 2013 - 3º dia de apresentação no 48º Festival Folclórico de Parintins



Entrada do Boi Caprichoso no 48º Festival Folclórico de Parintins. Apresentação do dia 30 de junho de 2013, última noite do Festival. O Caprichoso este ano só abriu o Festival no último e terceiro dia. Entrada emocionante e apaixonante! Cantamos Parabéns, choramos, trememos a arena!



Continuação da entrada do Boi Caprichoso na terceira e última noite de apresentação do 48º Festival Folclórico de Parintins. Caprichoso, meu Boi, meu amor, minha paixão! Centenário de uma Paixão! 100 anos de emoção!



Mais um momento inesquecível do Caprichoso na 3ª e última noite do 48º Festival de Parintins.


Mais um momento do Caprichoso no terceiro e último dia do 48º Festival Folclórico de Parintins. TE AMO MEU BOI CAPRICHOSO!



Mais um espetáculo do Caprichoso, não tem como descrever, só vendo mesmo! Esse é o meu Boi! Cunhã - Arquitetura de Tupã - Esse vídeo faz parte da sua última e 3ª apresentação no dia 30 de junho de 2013. ..."Cheirosa flor do mato que tupã benzeu"...



..." Bate no peito e canta Galera
Meu amor , eu sou feliz
É AZUL O MEU PAÍS !
Eu sou azul até morrer!
Vou pintar o meu Brasil de azul e branco,
das cores da minha nação,
das cores do meu país,
o azul do planeta do céu e do mar,
inspiração dos poetas,
que o próprio criador pintou"...
Esse vídeo faz parte da sua última e 3ª apresentação no dia 30 de junho de 2013.



Cem Anos de Glória
Amor da minha vida por um negro majestoso
Espero o ano inteiro pra arrancar essa saudade do meu peito
Que me trouxe até você
Amor verdadeiro meu brinquedo de criança
Quando eu te vejo lembro da minha infância
Brincando num chão de estrelas
Para sempre vou te amar.
Vou me entregar de corpo e alma no calor dessa paixão
Mergulhar num infinito azul e branco do teu céu
Da poesia da toada declarar o meu amor
Suspirada na cadência ritmada no tambor.
Vivo pra te amar
Sou livre pra voar
Nas asas do amor
Eu canto pra você,
Meu boi, meu boi, meu boi.
É amor, emoção
Te amo meu boi Caprichoso
Cem anos de glória, orgulho e paixão



Mais um momento do Caprichoso no terceiro e último dia do 48º festival Folclórico de Parintins. BRILHOU, RELUZIU, CAPRICHOSO É A ESTRELA DO BRASIL!



3º vídeo de mais um momento inesquecível do Caprichoso na 3ª e última noite do 48º Festival de Parintins. Meu Boi deixa a arena aos gritos de Bi-Campeão.

Boi Caprichoso 2013 - 2º dia de apresentação no 48º Festival Folclórico de Parintins


Início da apresentação do Caprichoso na 2ª noite do 48º Festival Folclórico de Parintins. Esquentando a galera.


Entrada do Boi Caprichoso no 2º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins, dia 29 de junho de 2013. Absoluto! Emocionante! Só vendo!



Começo da apresentação do Caprichoso no 2º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins, dia 29 de junho de 2013.

..."Amor da minha vida por um negro majestoso
Espero o ano inteiro pra arrancar essa saudade do meu peito
Que me trouxe até você
Amor verdadeiro meu brinquedo de criança
Quando eu te vejo lembro da minha infância
Brincando num chão de estrelas
Para sempre vou te amar.

Vou me entregar de corpo e alma no calor dessa paixão
Mergulhar num infinito azul e branco do teu céu
Da poesia da toada declarar o meu amor
Suspirada na cadência ritmada no tambor.

Vivo pra te amar
Sou livre pra voar
Nas asas do amor
Eu canto pra você,
Meu boi, meu boi, meu boi.

É amor, emoção
Te amo meu boi caprichoso
Cem anos de glória, orgulho e paixão"...



Apresentação do Caprichoso no 2º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins, dia 29 de junho de 2013. Ítem 17 - Lenda Amazônica




Sensibilidade

Vou cantar de azul pro meu caprichoso
Vou emocionar o mundo, vou brincar de boi
Deixo a toada me levar no dois pra lá e dois pra cá
Faço a galera delirar, essa emoção vai me guiar


Sou a estrela que brilha, pura melodia
O acorde, o mais simples cantar
A vontade de ser caprichoso, de pele morena, de sangue
caboclo

Meu canto desperta a floresta, ultrapassa os ventos
Rompendo horizontes e serras
Tem a força do rio amazonas, livre, imponente, sereno

E o meu olhar vai muito além do meu querer
O meu canto vem do corpo e da alma
Ao som da toada, embalada
Esse ritmo, a festa, o balanço me acalma

Que a estrela brilhe sobre mim
Eternizando minhas canções

Trago na voz o meu dom, filho da terra abençoado
Sinto o que os outros não veem
Sensibilidade, ouça meu canto

Cantei por toda a vida e por toda a vida eu vou cantar

É ele que faz meu povo balancear
É ele que faz meu mundo
Minha estrela brilhar
Caprichoso !

Boi Caprichoso 2013 - 1º dia de apresentação no 48º Festival Folclórico de Parintins



Linda entrada do Caprichoso no 1º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins, dia 28 de junho de 2013. Excelente oportunidade para que todos vejam também o novo Bumbódromo, reinaugurado este ano.



Momento histórico do Caprichoso no 1º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins, dia 28 de junho de 2013, o apresentador Júnior Paulain, vestido de Roque Cid, apresenta toda a família deste que foi o criador do Bumbá Caprichoso!



Momento emocionante do Caprichoso no 1º dia do Festival Folclórico de Parintins, dia 28 de junho de 2013 onde Chico Mendes é homenageado e nossa Amazônia exaltada! esse é meu Boi! Esse é o Caprichoso!



Mais um momento do Caprichoso no 1º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins, dia 28 de junho de 2013: ..." Viva a cultura popular, Viva o Boi de Parintins"... e também ítem 7 a Sinhazinha da Fazenda



Vou cantar de azul pro meu caprichoso
Vou emocionar o mundo , vou brincar de boi
Deixo a toada me levar no dois pra lá e dois pra cá
Faço a Galera delirar , essa emoção vai me guiar.

Sou a estrela que brilha , pura melodia
O acorde , o mais simples cantar
A vontade de ser caprichoso ,
de pele morena , de sangue caboclo

Meu canto desperta a floresta , ultrapassa os ventos
Rompendo horizontes e serras
Tem a força do Rio Amazonas , livre , imponente , sereno

E o meu olhar vai muito além do meu querer
O meu canto vem do corpo e da alma
Ao som da toada , embalada
Esse ritmo , a festa , o balanço me acalma

Que a estrela brilhe sobre mim
Eternizando minhas canções

Trago na voz o meu dom , filho da terra abençoado
Sinto o que os outros não veem
Sensibilidade , ouça meu canto

Cantei por toda a vida e por toda a vida eu vou cantar

É ele que faz meu povo balancear
É ele que faz meu mundo
Minha estrela brilhar
Caprichoso!



Saída do Boi Caprichoso no 1º dia do 48º Festival Folclórico de Parintins. Show na primeira noite! Esse é meu Boi! Esse é o Caprichoso!